Notícias:

Perspectiva para alta do PIB agropecuário é de 0,5% em 2019, diz INTL FCStone

  • Postado em 30/08/2019 às 18:11

São Paulo, 29 – O resultado do Produto Interno Bruto (PIB) da agropecuária no segundo trimestre de 2019 ficou dentro das expectativas do analista de mercado da INTL FCStone, Victor Andrioli. Ele mantém sua perspectiva de crescimento de 0,5% do setor no acumulado do ano de 2019. “É um ano de bienalidade negativa do café e em que teremos safra menor de soja. O resultado do ano é limitado por essas duas importantes culturas”, disse ele ao Broadcast Agro, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado.

Os pontos positivos do trimestre, segundo ele, foram a produção de algodão e a safrinha de milho. “O algodão vem crescendo em área e registrando produtividade bastante favorável. E o milho teve safrinha bastante positiva.”

 

Andrioli acredita que a safrinha de milho ainda dará contribuição positiva no resultado do terceiro trimestre: “Neste segundo trimestre, pegamos o intermédio dela”. Já nos três últimos meses do ano, ele vê o algodão e a soja, que estará na fase do desenvolvimento, como fatores importantes. A consultoria deve divulgar em setembro as estimativas para área plantada e produção da oleaginosa no País.

As carnes também podem dar uma contribuição positiva, de acordo com o analista. “Estamos numa conjuntura que vai favorecer a demanda por carne”, disse ele, lembrando do surto de peste suína africana que prejudica plantéis na China e no restante da Ásia. “Mas o setor ainda deve levar algum tempo para que os investimentos em expansão de capacidade de produção possam resultar em maior volume”, avaliou.

Andrioli explicou que costuma observar mais o resultado do trimestre em relação ao mesmo trimestre do ano anterior e o dos últimos 12 meses em relação aos 12 meses anteriores. Isso porque a agropecuária tem uma forte influência da sazonalidade, especialmente no plantio de grãos.

O PIB da agropecuária registrou avanço anual de 0,4% no segundo trimestre deste ano. Na comparação com o primeiro trimestre de 2019, o resultado foi um recuo de 0,4%.

Fonte: Terra